A CRITURA QUE VIVE NO ESCURO.

1 1 1 1 1 Rating 4.33 (6 Votes)


Para compartilhar nas redes sociais, clique aqui:

a-criatura-que-vive-no-escuroQuando tinha oito anos não conseguia dormir com as luzes apagadas. 

Bastava minha mãe apagar a luz que por algum motivo eu acordava com o coração disparado, tinha certeza que algo estava se aproximando de mim.

Gritava com os olhos fechados até minha mãe entrar no quarto e ascender a luz.

Minha mãe geralmente entrava no quarto aos berros, me xingando,as vezes me batia, por favor, não a julguem, essa foi uma época particularmente difícil para ela, meu pai havia saído de casa a poucos meses, foi morar com uma moça bem mais nova que minha mãe e isso fez minha mãe se entregar as bebidas alcoólicas como um escape.

Certa noite ela estava tão bêbada que tirou a lâmpada do meu quarto e me deixou trancado, dizendo que essa minha frescura acabaria aquele dia. eu chorava, berrava, mas minha mãe não apareceu para abrir a porta.

Já cansado resolvi deitar, não ousava abrir meus olhos e com o tempo o sono veio.

Acordei com um som quase inaudível de um instrumento que parecia ser um violino, virei assustado em direção ao barulho e escutei o impacto de cascos sobre o chão do meu quarto indo em direção a minha cama.

Me cobri da cabeça aos pés e esperei que aquilo me dessa a proteção necessária para escapar da situação, a criatura abriu a porta do meu armário e começou a jogar minhas roupas no chão, depois escutei seus cascos se aproximando da cama e ligando a televisão, em seguida senti uma mão pesada e quente alisando minha cabeça sobre o cobertor.

A criatura deixou a mão sobre a minha cabeça durante um tempo e depois deitou do meu lado, ao deitar sentir a cama afundar, seus braços envolveram meu pequeno corpo, e eu escutava sua voz dentro da minha cabeça, dizendo palavras desconexas, depois de um tempo com o coração horrorizado mijei na cama, não sei ao certo se gritei, se gritei minha mãe não veio ao meu socorro.

Quando as primeiras horas do dia chegaram a criatura se levantou e eu pude ouvir o barulho da janela se abrindo e a criatura partindo.

Contei para minha mãe quando ela acordou, mas obviamente ela não acreditou.

Na noite seguinte a criatura veio mais uma vez e fez as mesmas coisas da noite anterior e foi vindo todas as noites após essa, com o tempo me acostumei com ela, e agora passo a minha história em diante para honrar o trato que fiz com a criatura, o próximo a ler minha história receberá sua visita qualquer noite dessas.

photo credit: via photopin (license)



Para compartilhar nas redes sociais, clique aqui:

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

Comentários   

0 # Giliarde Felipe 27-06-2015 17:30
Olá, Fabio!

A história é boa, mas precisa de uns ajustes. Alguns erros ortográficos precisam ser corrigidos, assim como alguns erros de pontuação também.

Quanto ao final, devo dizer que conseguiu me surpreender.

Parabéns! Continue escrevendo!
Responder | Reportar ao administrador

© Contos de Terror - Letras de Sangue | Design by: LernVid.com